Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘fi’

Papo de Botequim – Parte 4

– E aí cara, tentou fazer o exercício que te pedi para revigorar as idéias?

– Claro, que sim! Em programação, se você não treinar, não aprende. Você me pediu para fazer um scriptizinho para informar se um determinado usuário, que será passado como parâmetro esta logado (arghh!) ou não. Eu fiz o seguinte:

$ cat logado
#!/bin/bash
# Pesquisa se uma pessoa está logada ou não
if who | grep $1
then
echo $1 está logado
else
echo $1 não se encontra no pedaço
fi

– Calma rapaz! Já vi que você chegou cheio de tesão, primeiro vamos pedir os nossos chopes de praxe e depois vamos ao Shell. Chico traz dois chopes, um sem colarinho!

– Agora que já molhamos os nossos bicos, vamos dar uma olhadinha na execução do seu bacalho:

$ logado jneves
jneves pts/0 Oct 18 12:02 (10.2.4.144)
jneves está logado

Realmente funcionou. Passei o meu login como parâmetro e ele disse que eu estava logado, porém ele mandou uma linha que eu não pedi. Esta linha é a saída do comando who, e para evitar que isso aconteça é só mandá-la para o buraco negro que a esta altura você já sabe que é o /dev/null. Vejamos então como ficaria:

$ cat logado
#!/bin/bash
# Pesquisa se uma pessoa está logada ou não (versão 2)
if who | grep $1 > /dev/null
then
echo $1 está logado
else
echo $1 não se encontra no pedaço
fi

Agora vamos aos testes:

$ logado jneves
jneves está logado
$ logado chico
chico não se encontra no pedaço
Pinguim com placa de atenção Ah, agora sim! Lembre-se desta pegadinha, a maior parte dos comandos tem uma saída padrão e uma saída de erros (o grep é uma das poucos exceções, já que não dá mensagem de erro quando não acha uma cadeia) e é necessário estarmos atentos para redirecioná-las para o buraco negro quando necessário.

Bem, agora vamos mudar de assunto: na última vez que nos encontramos aqui no Botequim, eu estava te mostrando os comandos condicionais e, quando já estávamos de goela seca falando sobre o if, você me perguntou como se testa condições. Vejamos então o

O Comando test

Bem, todos estamos acostumados a usar o if testando condições, e estas são sempre, maior, menor, maior ou igual, menor ou igual, igual e diferente. Bem, em Shell para testar condições, usamos o comando test, só que ele é muito mais poderoso que o que estamos habituados. Primeiramente vou te mostrar as principais opções (existem muitas outras) para testarmos arquivos em disco:

Opções do Comando test para arquivos
Opção Verdadeiro se:
-e arq arq existe
-s arq arq existe e tem tamanho maior que zero
-f arq arq existe e é um arquivo regular
-d arq arq existe e é um diretório;
-r arq arq existe e com direito de leitura
-w arq arq existe e com direito de escrita
-x arq arq existe e com direito de execução

Veja agora as principais opções para teste de cadeias de caracteres:

Opções do comando test para cadeias de caracteres
Opção Verdadeiro se:
-z cadeia Tamanho de cadeia é zero
-n cadeia Tamanho de cadeia é maior que zero
cadeia A cadeia cadeia tem tamanho maior que zero
c1 = c2 Cadeia c1 e c2 são idênticas

E pensa que acabou? Engano seu! Agora é que vem o que você está mais acostumado, ou seja as famosas comparações com numéricos. Veja a tabela:

Opções do comando test para números
Opção Verdadeiro se: Significado
n1 -eq n2 n1 e n2 são iguais equal
n1 -ne n2 n1 e n2 não são iguais not equal
n1 -gt n2 n1 é maior que n2 greater than
n1 -ge n2 n1 é maior ou igual a n2 greater or equal
n1 -lt n2 n1 é menor que n2 less than
n1 -le n2 n1 é menor ou igual a n2 less or equal

Além de tudo, some-se a estas opções as seguintes facilidades:

Operadores
Operador Finalidade
Parênteses ( ) Agrupar
Exclamação ! Negar
-a E lógico
-o OU lógico

Ufa! Como você viu tem coisa prá chuchu, e como eu te disse no início, o nosso if é muito mais poderoso que o dos outros. Vamos ver em uns exemplos como isso tudo funciona, primeiramente testaremos a existência de um diretório:

Exemplos:

    if  test -d lmb
    then
        cd lmb
    else
        mkdir lmb
        cd lmb
    fi

No exemplo, testei se existia um diretório lmb definido, caso negativo (else), ele seria criado. Já sei, você vai criticar a minha lógica dizendo que o script não está otimizado. Eu sei, mas queria que você o entendesse assim, para então poder usar o ponto-de-espantação (!) como um negador do test. Veja só:

    if  test ! -d lmb
    then
        mkdir lmb
    fi
    cd lmb

Desta forma o diretório lmb seria criado somente se ele ainda não existisse, e esta negativa deve-se ao ponto-de-exclamação (!) precedendo a opção -d. Ao fim da execução deste fragmento de script, o programa estaria com certeza dentro do diretório lmb.

Vamos ver dois exemplos para entender a diferença comparação entre números e entre cadeias.

    cad1=1
    cad2=01
    if  test $cad1 = $cad2
    then
        echo As variáveis são iguais.
    else
        echo As variáveis são diferentes.
    fi

Executando o fragmento de programa acima vem:

As variáveis são diferentes.

Vamos agora alterá-lo um pouco para que a comparação seja numérica:

    cad1=1
    cad2=01
    if  test $cad1 -eq $cad2
    then
        echo As variáveis são iguais.
    else
        echo As variáveis são diferentes.
    fi

E vamos executá-lo novamente:

As variáveis são iguais.

Como você viu nas duas execuções obtive resultados diferentes porque a cadeia 01 é realmente diferente da cadeia 1, porém, a coisa muda quando as variáveis são testadas numericamente, já que o número 1 é igual ao número 01.

Exemplos:

Para mostrar o uso dos conectores -o (OU) e -a (E), veja um exemplo animal feito direto no prompt (me desculpem os zoólogos, mas eu não entendendo nada de reino, filo, classe, ordem, família, gênero e espécie, desta forma o que estou chamando de família ou de gênero tem grande chance de estar incorreto):

$ Familia=felinae
$ Genero=gato
$ if test $Familia = canidea -a $Genero = lobo -o $Familia = felina -a $Genero = leão
> then
> echo Cuidado
> else
> echo Pode passar a mão
> fi
Pode passar a mão

Neste exemplo caso o animal fosse da família canídea E (-a) do gênero lobo, OU (-o) da familia felina E (-a) do gênero leão, seria dado um alerta, caso contrário a mensagem seria de incentivo.

Pinguim com placa de dica Os sinais de maior (>) no início das linhas internas ao if são os prompts de continuação (que estão definidos na variável $PS2) e quando o Shell identifica que um comando continuará na linha seguinte, automaticamente ele o coloca até que o comando seja encerrado.

Vamos mudar o exemplo para ver se continua funcionando:

$ Familia=felino
$ Genero=gato
$ if test $Familia = felino -o $Familia = canideo -a $Genero = onça -o $Genero = lobo
> then
> echo Cuidado
> else
> echo Pode passar a mão
> fi
Cuidado

Obviamente a operação redundou em erro, isto foi porque a opção -a tem precedência sobre a -o, e desta forma o que primeiro foi avaliado foi a expressão:

$Familia = canideo -a $Genero = onça

Que foi avaliada como falsa, retornando o seguinte:

$Familia = felino -o FALSO -o $Genero = lobo

Que resolvida vem:

VERDADEIRO -o FALSO -o FALSO

Como agora todos conectores são -o, e para que uma série de expressões conectadas entre si por diversos OU lógicos seja verdadeira, basta que uma delas seja, a expressão final resultou como VERDADEIRO e o then foi executado de forma errada. Para que isso volte a funcionar façamos o seguinte:

$ if test ($Familia = felino -o $Familia = canideo) -a ($Genero = onça -o $Genero = lobo)
> then
> echo Cuidado
> else
> echo Pode passar a mão
> fi
Pode passar a mão

Desta forma, com o uso dos parênteses agrupamos as expressões com o conector -o, priorizando as suas execuções e resultando:

VERDADEIRO -a FALSO

Para que seja VERDADEIRO o resultado duas expressões ligadas pelo conector -a é necessário que ambas sejam verdadeiras, o que não é o caso do exemplo acima. Assim o resultado final foi FALSO sendo então o else corretamente executado.

Se quisermos escolher um CD que tenha faixas de 2 artistas diferentes, nos sentimos tentados a usar um if com o conector -a, mas é sempre bom lembrarmos que o bash nos dá muito recursos, e isso poderia ser feito de forma muito mais simples com um único comando grep, da seguinte maneira:

$ grep Artista1 musicas | grep Artista2

Da mesma forma para escolhermos CDs que tenham a participação do Artista1 e do Artista2, não é necessário montarmos um if com o conector -o. O egrep (ou grep -E, sendo este mais aconselhável) também resolve isso para nós. Veja como:

$ egrep (Artista1|Artista2) musicas

Ou (nesse caso específico) o próprio grep puro e simples poderia nos quebrar o galho:

$ grep Artista[12] musicas

No egrep acima, foi usada uma expressão regular, onde a barra vertical (|) trabalha como um OU lógico e os parênteses são usados para limitar a amplitude deste OU. Já no grep da linha seguinte, a palavra Artista deve ser seguida por um dos valores da lista formada pelos colchetes ([ ]), isto é, 1 ou 2.

– Tá legal, eu aceito o argumento, o if do Shell é muito mais poderoso que os outros caretas, mas cá pra nós, essa construção de if test ... é muito esquisita, é pouco legível.

– É você tem razão, eu também não gosto disso e acho que ninguém gosta. Acho que foi por isso, que o Shell incorporou outra sintaxe que substitui o comando test.

Exemplos:

Para isso vamos pegar aquele exemplo para fazer uma troca de diretórios, que era assim:

    if  test ! -d lmb
    then
        mkdir lmb
    fi
    cd lmb

e utilizando a nova sintaxe, vamos fazê-lo assim:

    if  [ ! -d lmb ]
    then
        mkdir lmb
    fi
    cd lmb

Ou seja, o comando test pode ser substituído por um par de colchetes ([ ]), separados por espaços em branco dos argumentos, o que aumentará enormemente a legibilidade, pois o comando if irá ficar com a sintaxe semelhante à das outras linguagens e por isso este será o modo que o comando test será usado daqui para a frente.

Querida, Encolheram o Comando Condicional

Se você pensa que acabou, está muito enganado. Repare a tabela (tabela verdade) a seguir:

Valores Booleanos E OU
VERDADEIRO-VERDADEIRO VERDADEIRO VERDADEIRO
VERDADEIRO-FALSO FALSO VERDADEIRO
FALSO-VERDADEIRO FALSO VERDADEIRO
FALSO-FALSO FALSO FALSO

Ou seja, quando o conector é E e a primeira condição é verdadeira, o resultado final pode ser VERDADEIRO ou FALSO, dependendo da segunda condição, já no conector OU, caso a primeira condição seja verdadeira, o resultado sempre será VERDADEIRO e se a primeira for falsa, o resultado dependerá da segunda condição.

Ora, os caras que desenvolveram o interpretador não são bobos e estão sempre tentando otimizar ao máximo os algoritmos. Portanto, no caso do conector E, a segunda condição não será avaliada, caso a primeira seja falsa, já que o resultado será sempre FALSO. Já com o OU, a segunda será executada somente caso a primeira seja falsa.

Aproveitando disso, criaram uma forma abreviada de fazer testes. Batizaram o conector E de && e o OU de || e para ver como isso funciona, vamos usá-los como teste no nosso velho exemplo de trocarmos de diretório, que em sua última versão estava assim:

    if  [ ! -d lmb ]
    then
        mkdir lmb
    fi
    cd lmb

Isso também poderia ser escrito da seguinte maneira:

    [ ! -d lmb ] && mkdir lmb
    cd lmb

Ou ainda retirando a negação (!):

    [ -d lmb ] || mkdir lmb
    cd lmb

No primeiro caso, se o primeiro comando (o test que está representado pelos colchetes) for bem sucedido, isto é, não existir o diretório lmb, o mkdir será efetuado porque a primeira condição era verdadeira e o conector era E.

No exemplo seguinte, testamos se o diretório lmb existia (no anterior testamos se ele não existia) e caso isso fosse verdade, o mkdir não seria executado porque o conector era OU. Outra forma:

cd lmb || mkdir lmb

Neste caso, se o cd fosse mal sucedido, seria criado o diretório lmb mas não seria feito o cd para dentro dele. Para executarmos mais de um comando desta forma, é necessário fazermos um grupamento de comandos, e isso se consegue com o uso de chaves ({ }). Veja como seria o correto:

    cd lmb ||
        {
        mkdir lmb
        cd lmb
        }

Ainda não está legal, porque caso o diretório não exista, o cd dará a mensagem de erro correspondente. Então devemos fazer:

    cd lmb 2> /dev/null ||
        {
        mkdir lmb
        cd lmb
        }

Como você viu o comando if nos permitiu fazer um cd seguro de diversas maneiras. É sempre bom lembrarmos que o seguro a que me referi é no tocante ao fato de que ao final da execução você sempre estará dentro de lmb, desde que você tenha permissão entrar em lmb, permissão para criar um diretório em ../lmb, haja espaço em disco, …

E tome de test

Ufa! Você pensa que acabou? Ledo engano! Ainda tem uma forma de test a mais. Essa é legal porque ela te permite usar padrões para comparação. Estes padrões atendem às normas de Geração de Nome de Arquivos (File Name Generation, que são ligeiramente parecidas com as Expressões Regulares, mas não podem ser confundidas com estas). A diferença de sintaxe deste para o test que acabamos de ver é que esse trabalha com dois pares de colchete da seguinte forma:

[[ expressão ]]

Onde expressão é uma das que constam na tabela a seguir:

Expressões Condicionais Para Padrões
Expressão Retorna
cadeia == padrão
cadeia1 = padrao
Verdadeiro se cadeia1 casa com padrão
cadeia1 != padrao Verdadeiro se cadeia1 não casa com padrao.
cadeia1 < cadeia1 Verdadeiro se cadeia1 vem antes de cadeia1 alfabeticamente.
cadeia1 > cadeia1 Verdadeiro se cadeia1 vem depois de cadeia1 alfabeticamente
expr1 && expr2 “E” lógico, verdadeiro se ambos expr1 e expr2 são verdadeiros
expr1 ¦¦ expr2 “OU” lógico, verdadeiro se expr1 ou expr2 for verdadeiro
$ echo $H
13

$ [[ $H == [0-9] || $H == 1[0-2] ]] || echo Hora inválida
Hora inválida

$H=12
$ [[ $H == [0-9] || $H == 1[0-2] ]] || echo Hora inválida
$

Neste exemplo, testamos se o conteúdo da variável $H estava compreendido entre zero e nove ([0-9]) ou (||) se estava entre dez e doze (1[0-2]), dando uma mensagem de erro caso não fosse.

Exemplos:

Para saber se uma variável tem o tamanho de um e somente um caractere, faça:

$ var=a
$ [[ $var == ? ]] && echo var tem um caractere
var tem um caractere

$ var=aa
$ [[ $var == ? ]] && echo var tem um caractere
$

Como você pode imaginar, este uso de padrões para comparação, aumenta muito o poderio do comando test. No início deste papo, antes do último chope, afirmamos que o comando if do interpretador Shell é mais poderoso que o seu similar em outras linguagens. Agora que conhecemos todo o seu espectro de funções, diga-me: você concorda ou não com esta assertiva?

Acaso Casa com case

Vejamos um exemplo didático: dependendo do valor da variável $opc o script deverá executar uma uma das opções: inclusão, exclusão, alteração ou fim. Veja como ficaria este fragmento de script:

    if  [ $opc -eq 1 ]
    then
        inclusao
    elif [ $opc -eq 2 ]
    then
        exclusao
    elif [ $opc -eq 3 ]
    then
        alteracao
    elif [ $opc -eq 4 ]
    then
        exit
    else
        echo Digite uma opção entre 1 e 4
    fi

Neste exemplo você viu o uso do elif com um else if, esta á a sintaxe válida e aceita, mas poderíamos fazer melhor, e isto seria com o comando case, que tem a sintaxe a seguir:

    case $var in
        padrao1) cmd1
                 cmd2
                 cmdn ;;
        padrao2) cmd1
                 cmd2
                 cmdn ;;
        padraon) cmd1
                 cmd2
                 cmdn ;;
    esac

Onde a variável $var é comparada aos padrões padrao1, ..., padraon e caso um deles atenda, o bloco de comandos cmd1, ..., cmdn correspondente é executado até encontrar um duplo ponto-e-vírgula (;;), quando o fluxo do programa se desviará para instrução imediatamente após o esac.

Na formação dos padrões, são aceitos os seguintes caracteres:

Caracteres Para Formação de Padrões
Caractere Significado
* Qualquer caractere ocorrendo zero ou mais vezes
? Qualquer caractere ocorrendo uma vez
[...] Lista de caracteres
¦ OU lógico

Para mostrar como fica melhor, vamos repetir o exemplo anterior, só que desta vez usaremos o case e não o if ... elif ... else ... fi.

    case $opc in
        1) inclusao ;;
        2) exclusao ;;
        3) alteracao ;;
        4) exit ;;
        *) echo Digite uma opção entre 1 e 4
    esac

Como você deve ter percebido, eu usei o asterisco como a última opção, isto é, se o asterisco atende a qualquer coisa, então ele servirá para qualquer coisa que não esteja no intervalo de 1 a 4. Outra coisa a ser notada é que o duplo ponto-e-vírgula não é necessário antes do esac.

Exemplos:

Vamos agora fazer um script mais radical. Ele te dará bom dia, boa tarde ou boa noite dependendo da hora que for executado, mas primeiramente veja estes comandos:

$ date
Tue Nov 9 19:37:30 BRST 2004

$ date +%H
19

O comando date informa a data completa do sistema, mas ele tem diversas opções para seu mascaramento. Neste comando, a formatação começa com um sinal de mais (+) e os caracteres de formatação vêm após um sinal de percentagem (%), assim o %H significa a hora do sistema. Dito isso vamos ao exemplo:

$ cat boasvindas.sh
#!/bin/bash
# Programa bem educado que
# dá bom-dia, boa-tarde ou
# boa-noite conforme a hora
Hora=$(date +%H)
case $Hora in
0? | 1[01]) echo Bom Dia
;;
1[2-7] ) echo Boa Tarde
;;
* ) echo Boa Noite
;;
esac
exit

Peguei pesado, né? Que nada vamos esmiuçar a resolução caso-a-caso (ou seria case-a-case? smile )

0? | 1[01] – Significa zero seguido de qualquer coisa (?), ou (|) um seguido de zero ou um ([01]) ou seja, esta linha pegou 01, 02, … 09, 10 e 11;

1[2-7] – Significa um seguido da lista de dois a sete, ou seja, esta linha pegou 12, 13, … 17;

* – Significa tudo que não casou com nenhum dos padrões anteriores.

– Cara, até agora eu falei muito e bebi pouco. Agora eu vou te passar um exercício para você fazer em casa e me dar a resposta da próxima vez que nos encontrarmos aqui no botequim, tá legal?

– Tá, mas antes informe ao pessoal que está acompanhando este curso conosco como eles podem te encontrar para fazer críticas, contar piada, convidar para o chope, curso ou palestra ou até mesmo para falar mal dos políticos.

– É fácil, meu e-mail é julio.neves@gmail.com, mas pare de me embromar que eu não vou esquecer de te passar o script para fazer. É o seguinte: quero que você faça um programa que receberá como parâmetro o nome de um arquivo e que quando executado salvará este arquivo com o nome original seguido de um til (~) e colocará este arquivo dentro do vi (o melhor editor que se tem notícia) para ser editado. Isso é para ter sempre a última cópia boa deste arquivo caso o cara faça alterações indevidas. Obviamente, você fará as críticas necessárias, como verificar se foi passado um parâmetro, se o arquivo passado existe, … Enfim, o que te der na telha e você achar que deve constar do script. Deu prá entender?

– Hum, hum…

– Chico! Traz mais um sem colarinho que o cara aqui já está dando para entender! smile

Vou aproveitar também para mandar o meu jabá: diga para os amigos que quem estiver afim de fazer um curso porreta de programação em Shell que mande um e-mail para a nossa gerencia de treinamento para informar-se.

Qualquer dúvida ou falta de companhia para um chope ou até para falar mal dos políticos é só mandar um e-mail para mim.

Valeu!

Read Full Post »

Papo de Botequim – Parte 6

Comandos de Loop ou Laço (Continuação)

– Fala cara! E aí, já tá sabendo tudo do comando for? Eu te deixei um exercício para treinar, se não me engano era para contar a quantidade de palavras de um arquivo… Você fez? – Claro! Tô empolgadão com essa linguagem, eu fiz da forma que você pediu, isto é sem usar o comando wc porque senão era mais mole ainda. Olha só como eu fi…

– Êpa! Perai! Você realmente está fissurado na linguagem, mas eu tô sequinho pra tomar um chope. Aê Chico, traz dois por favor. Um sem colarinho!

– Como eu ia dizendo olha a forma que eu fiz. É muito fácil…

$ cat contpal.sh
#!/bin/bash
# Script meramente pedagógico cuja
# função é contar a qtd de palavras
# de um arquivo. Supõe-se que as
# palavras estão separadas entre si
# por espaço, ou .

if [ $# -ne 1 ]
then
echo uso: $0 /caminho/do/arquivo
exit 2
fi
Cont=0
for Palavra in $(cat $1)
do
Cont=$((Cont+1))
done
echo O arquivo $1 tem $Cont palavras.

Ou seja, o programa começa como sempre verificando se a passagem de parâmetros foi correta, em seguida o comando for se incumbe de pegar cada uma das palavras (lembre-se que o $IFS padrão (default) é branco, <TAB> e <ENTER>, que é exatamente o que desejamos para separar as palavras), incrementando a variável $Cont.

Vamos relembrar como é o arquivo ArqDoDOS.txt.

$ cat ArqDoDOS.txt
Este arquivo
foi gerado pelo
DOS/Rwin e foi
baixado por um
ftp mal feito.

Agora vamos testar o programa passando este arquivo como parâmetro:

$ contpal.sh ArqDoDOS.txt
O arquivo ArqDoDOS.txt tem 14 palavras

– Beleza, funcionou legal!

Um Pouco Mais de for e Matemática

Voltando à vaca fria, na última vez que aqui estivemos, terminamos o nosso papo mostrando o loop de for a seguir:

    for ((; i<=9;))
    do
        let i++
        echo -n "$i "
    done

Uma vez que chegamos neste ponto, creio ser bastante interessante citar que o Shell trabalha com o conceito de “Expansão Aritmética” (Arithmetic Expansion), da qual vou falar rapidamente porque na seção Tira Gosto isso está muito bem mastigado.

A expansão aritmética é acionada por uma construção da forma:

$((expressão))

ou

let expressão

No último for citado usei a expansão das duas formas, mas não poderíamos seguir adiante sem saber que a expressão pode ser de uma das listadas a seguir:

Expansão Aritmética
Expressão Resultado
id++ id-- pós-incremento e pós-decremento de variáveis
++id -–id pré-incremento e pré-decremento de variáveis
** exponenciação
* / % multiplicação, divisão, resto da divisão
+ - adição, subtração
<= >= < > comparação
== != igualdade, desigualdade
&& E lógico
|| OU lógico

– Mas você pensa que o papo de loop (ou laço) se encerra no comando for? Ledo engano amigo, vamos a partir de agora ver mais dois.

O comando while

Todos os programadores conhecem este comando, porque ele é comum a todas as linguagens e nelas, o que normalmente ocorre é que um bloco de comandos é executado, enquanto (enquanto em ingles é while) uma determinada condição for verdadeira. Pois bem, isto é o que ocorre nas linguagens caretas! Em programação Shell, o bloco de comandos é executado enquanto um comando for verdadeiro. E é claro, se quiser testar uma condição use o comando while junto com o comando test, exatamente como você aprendeu a fazer no if, lembra?

Então a sintaxe do comando fica assim:

    while comando
    do
        cmd1
        cmd2
        ...
        cmdn
    done

e desta forma o bloco de comandos formado pelas instruções cmd1, cmd2,… e cmdn é executado enquanto a execução da instrução comando for bem sucedida.

Suponha a seguinte cena: tem uma tremenda gata me esperando e eu preso no trabalho sem poder sair porque o meu chefe, que é um pé no saco (aliás chefe-chato é uma redundância, né?:), ainda estava na sua sala, que fica bem na minha passagem para a rua.

Ele começou a ficar com as antenas (provavelmente instaladas na cabeça dele pela esposa) ligadas depois da quinta vez que passei pela sua porta e olhei para ver se já havia ido embora. Então voltei para a minha mesa e fiz, no servidor, um script assim:

$ cat logaute.sh
#!/bin/bash

# Espero que a Xuxa não tenha
# copyright de xefe e xato 🙂

while who | grep xefe
do
sleep 30
done
echo O xato se mandou, não hesite, dê exit e vá a luta

Neste scriptizinho, o comando while testa o pipeline composto pelo who e pelo grep e que será verdadeiro enquanto o grep localizar a palavra xefe na saída do who. Desta forma, o script dormirá por 30 segundos enquanto o chefe estiver logado (Argh!). Assim que ele se desconectar do servidor, o fluxo do script sairá do loop e dará a tão ansiada mensagem de liberdade.

Quando o executei adivinha o que aconteceu?

$ logaute.sh
xefe pts/0 Jan 4 08:46 (10.2.4.144)
xefe pts/0 Jan 4 08:47 (10.2.4.144)

xefe pts/0 Jan 4 08:52 (10.2.4.144)

Isto é a cada 30 segundos seria enviado para a tela a saída do grep, o que não seria legal já que poluiria a tela do meu micro e a mensagem esperada poderia passar desapercebida. Para evitar isso já sabemos que a saída do pipeline tem que ser redirecionada para /dev/null.

$ cat logaute.sh
#!/bin/bash

# Espero que a Xuxa não tenha
# copyright de xefe e xato 🙂

while who | grep xefe > /dev/null
do
sleep 30
done
echo O xato se mandou, não hesite, dê exit e vá a luta

Agora quero montar um script que receba o nome (e eventuais parâmetros) de um programa que será executado em background e que me informe do seu término. Mas, para você entender este exemplo, primeiro tenho de mostar uma nova variável do sistema. Veja estes comandos diretos no prompt:

$ sleep 10&
[1] 16317

$ echo $!
16317
[1]+ Done sleep 10

$ echo $!
16317

Isto é, criei um processo em background para dormir por 10 segundos, somente para mostrar que a variável $! guarda o PID (Process IDentification) do último processo em background, mas repare após a linha do done, que a variável reteve o valor mesmo após o término deste processo.

Bem sabendo isso já fica mais fácil de monitorar qualquer processo em background. Veja só como:

$ cat monbg.sh
#!/bin/bash

# Executa e monitora um
# processo em background

$1 & # Coloca em backgroud
while ps | grep -q $!
do
sleep 5
done
echo Fim do Processo $1

Este script é bastante similar ao anterior, mas tem uns macetes a mais, veja só: ele tem que ser executado em background para não prender o prompt mas o $! será o do programa passado como parâmetro já que ele foi colocado em background após o monbg.sh propriamente dito. Repare também a opção -q (quiet) do grep, ela serve para tranformá-lo num comando mineiro, isto é, para o grep “trabalhar em silêncio”. O mesmo resultado poderia ser obtido se a linha fosse while ps | grep $! > /dev/null, como nos exemplos que vimos até agora.

Pinguim com placa de dica Não esqueça: o Bash disponibiliza a variável $! que possui o PID (Process IDentification) do último processo executado em background.

Vamos melhorar o musinc, que é o nosso programa para incluir registros no arquivo musicas, mas antes preciso te ensinar a pegar um dado da tela, e já vou avisando: só vou dar uma pequena dica do comando read (que é quem pega o dado da tela) que seja o suficiente para resolver este nosso problema. Em uma outra rodada de chope vou te ensinar tudo sobre o assunto, inclusive como formatar tela, mas hoje estamos falando sobre loops.

A sintaxe do comando read que nos interessa por hoje é a seguinte:

$ read -p “prompt de leitura” var

Onde prompt de leitura é o texto que você quer que apareça escrito na tela, e quando o operador teclar o dado, ele irá para a variável var. Por exemplo:

$ read -p “Título do Álbum: ” Tit

Bem, uma vez entendido isso, vamos à especificação do nosso problema: faremos um programa que inicialmente lerá o nome do álbum e em seguida fara um loop de leitura, pegando a música e o artista. Este loop termina quando for informada uma música vazia, isto é, ao ser solicitada a digitação da música, o operador dá um simples <ENTER>. Para facilitar a vida do operador, vamos oferecer como default o mesmo nome do artista da música anterior (já que é normal que o álbum seja todo do mesmo artista) até que ele deseje alterá-lo. Vamos ver como ficou:

$ cat musinc
#!/bin/bash
# Cadastra CDs (versao 4)
#
clear
read -p “Título do Álbum: ” Tit
[ “$Tit” ] || exit 1 # Fim da execução se título vazio
if grep “^$Tit^” musicas > /dev/null
then
echo Este álbum já está cadastrado
exit 1
fi
Reg=”$Tit^”
Cont=1
oArt=
while true
do
echo Dados da trilha $Cont:
read -p “Música: ” Mus
[ “$Mus” ] || break # Sai se vazio
read -p “Artista: $oArt // ” Art
[ “$Art” ] && oArt=”$Art” # Se vazio Art anterior
Reg=”$Reg$oArt~$Mus:” # Montando registro
Cont=$((Cont + 1))
# A linha anterior tb poderia ser ((Cont++))
done
echo “$Reg” >> musicas
sort musicas -o musicas

Este exemplo, começa com a leitura do título do álbum, que se não for informado, terminará a execução do programa. Em seguida um grep procura no início (^) de cada registro de musicas, o título informado seguido do separador (^) (que está precedido de uma contrabarra () para protegê-lo da interpretação do Shell).

Para ler os nomes dos artistas e as músicas do álbum, foi montado um loop de while simples, cujo único destaque é o fato de estar armazenando o artista da música anterior na variável $oArt que só terá o seu conteúdo alterado, quando algum dados for informado para a variável $Art, isto é, quando não teclou-se um simples <ENTER> para manter o artista anterior.

O que foi visto até agora sobre o while foi muito pouco. Este comando é muito utilizado, principalmente para leitura de arquivos, porém nos falta bagagem para prosseguir. Depois que aprendermos a ler, veremos esta instrução mais a fundo.

Pinguim com placa de dica Leitura de arquivo significa ler um-a-um todos os registros, o que é sempre uma operação lenta. Fique atento para não usar o while quando seu uso for desnecessário. O Shell tem ferramentas como o sed e a família grep que vasculham arquivos de forma otimizada sem ser necessário o uso de comandos de loop para fazê-lo registro a registro (ou até palavra a palavra).

O comando until

O comando until funciona exatamente igual ao while, porém ao contrário. Disse tudo mas não disse nada, né? É o seguinte: ambos testam comandos; ambos possuem a mesma sintaxe e ambos atuam em loop, porém enquanto o while executa o bloco de intruções do loop enquanto um comando for bem sucedido, o until executa o bloco do loop até que o comando seja bem sucedido. Parece pouca coisa mas a diferença é fundamental.

A sintaxe do comando é praticamente a mesma do while. Veja:

    until comando
    do
        cmd1
        cmd2
        ...
        cmdn
    done

E desta forma o bloco de comandos formado pelas instruções cmd1, cmd2,… e cmdn é executado até que a execução da instrução comando seja bem sucedida.

Como eu te disse, o while e until funcionam de forma antagônica e isso é muito fácil de demonstrar: em uma guerra sempre que se inventa uma arma, o inimigo busca uma solução para neutralizá-la. Baseado neste principio belicoso que o meu chefe, desenvolveu, no mesmo servidor que eu executava o logaute.sh um script para controlar o meu horário de chegada.

Um dia deu um problema da rede, ele me pediu para dar uma olhada no micro dele e me deixou sozinho em sua sala. Imediatamente comecei a bisbilhotar seus arquivos – porque guerra é guerra – e veja só o que descobri:

$cat chegada.sh
#!/bin/bash

until who | grep julio
do
sleep 30
done
echo $(date “+ Em %d/%m às %H:%Mh”) >> relapso.log

Olha que safado! O cara estava montando um log com os horários que eu chegava, e ainda por cima chamou o arquivo que me monitorava de relapso.log! O que será que ele quis dizer com isso?

Neste script, o pipeline who | grep julio, será bem sucedido somente quando julio for encontrado no comando who, isto é, quando eu me “logar” no servidor. Até que isso aconteça, o comando sleep, que forma o bloco de instruções do until, porá o programa em espera por 30 segundos. Quando este loop encerrar-se, será dada uma mensagem para o relapso.log (ARGHH!). Supondo que no dia 20/01 eu me loguei às 11:23 horas, a mensagem seria a seguinte:

Em 20/01 às 11:23h

Quando vamos cadastrar músicas, o ideal seria que pudéssemos cadastrar diversos CDs, e na última versão que fizemos do musinc, isso não ocorre, a cada CD que cadastramos o programa termina. Vejamos como melhorá-lo:

$ cat musinc
#!/bin/bash
# Cadastra CDs (versao 5)
#
Para=
until [ “$Para” ]
do
clear
read -p “Título do Álbum: ” Tit
if [ ! “$Tit” ] # Se titulo vazio…
then
Para=1 # Liguei flag de saída
else
if grep “^$Tit^” musicas > /dev/null
then
echo Este álbum já está cadastrado
exit 1
fi
Reg=”$Tit^”
Cont=1
oArt=
while [ “$Tit” ]
do
echo Dados da trilha $Cont:
read -p “Música: ” Mus
[ “$Mus” ] || break # Sai se vazio
read -p “Artista: $oArt // ” Art
[ “$Art” ] && oArt=”$Art” # Se vazio Art anterior
Reg=”$Reg$oArt~$Mus:” # Montando registro
Cont=$((Cont + 1))
# A linha anterior tb poderia ser ((Cont++))
done
echo “$Reg” >> musicas
sort musicas -o musicas
fi
done

Nesta versão, um loop maior foi adicionado antes da leitura do título, que só terminará quando a variável $Para deixar de ser vazia. Caso o título do álbum não seja informado, a variável $Para receberá valor (no caso coloquei 1 mas poderia ter colocado qualquer coisa. O importante é que não seja vazia) para sair deste loop, terminando desta forma o programa. No resto, o script é idêntico à sua versão anterior.

Atalhos no loop

Nem sempre um ciclo de programa, compreendido entre um do e um done, sai pela porta da frente. Em algumas oportunidades, temos que colocar um comando que aborte de forma controlada este loop. De maneira inversa, algumas vezes desejamos que o fluxo de execução do programa volte antes de chegar ao done. Para isto, temos respectivamente, os comandos break (que já vimos rapidamente nos exemplos do comado while) e continue, que funcionam da seguinte forma:

O que eu não havia dito anteriormente é que nas suas sintaxes genéricas eles aparecem da seguinte forma:

break [qtd loop]

e

continue [qtd loop]

Onde qtd loop representa a quantidade dos loops mais internos sobre os quais os comandos irão atuar. Seu valor default é 1.

Fluxograma Duvido que você nunca tenha deletado um arquivo e logo após deu um tabefe na testa se xingando porque não devia tê-lo removido. Pois é, na décima vez que fiz esta besteira, criei um script para simular uma lixeira, isto é, quando mando remover um (ou vários) arquivo(s), o programa “finge” que removeu-o, mas no duro o que fez foi mandá-lo(s) para o diretório /tmp/LoginName_do_usuario. Chamei este programa de erreeme e no /etc/profile coloquei a seguinte linha:

alias rm=erreeme

O programa era assim:

$ cat erreeme
#/bin/bash
#
# Salvando Copia de Arquivo Antes de Remove-lo
#

if [ $# -eq 0 ] # Tem de ter um ou mais arquivos para remover
then
echo “Erro -> Uso: erreeme arq [arq] … [arq]”
echo ” O uso de metacaracteres e’ permitido. Ex. erreeme arq*”
exit 1
fi

MeuDir=”/tmp/$LOGNAME” # Variavel do sist. Contém o nome do usuário.
if [ ! -d $MeuDir ] # Se não existir o meu diretório sob o /tmp…
then
mkdir $MeuDir # Vou cria-lo
fi

if [ ! -w $MeuDir ] # Se não posso gravar no diretório…
then
echo Impossivel salvar arquivos em $MeuDir. Mude permissao…
exit 2
fi

Erro=0 # Variavel para indicar o cod. de retorno do prg
for Arq # For sem o “in” recebe os parametros passados
do
if [ ! -f $Arq ] # Se este arquivo não existir…
then
echo $Arq nao existe.
Erro=3
continue # Volta para o comando for
fi

DirOrig=`dirname $Arq` # Cmd. dirname informa nome do dir de $Arq
if [ ! -w $DirOrig ] # Verifica permissão de gravacaoo no diretório
then
echo Sem permissao de remover no diretorio de $Arq
Erro=4
continue # Volta para o comando for
fi

if [ “$DirOrig” = “$MeuDir” ] # Se estou “esvaziando a lixeira”…
then
echo $Arq ficara sem copia de seguranca
rm -i $Arq # Pergunta antes de remover
[ -f $Arq ] || echo $Arq removido # Será que o usuario removeu?
continue
fi

cd $DirOrig # Guardo no fim do arquivo o seu diretorio
pwd >> $Arq # original para usa-lo em um script de undelete
mv $Arq $MeuDir # Salvo e removo
echo $Arq removido
done
exit $Erro # Passo eventual numero do erro para o codigo de retorno

Como você pode ver, a maior parte do script é formada por pequenas criticas aos parâmetros informados, mas como o script pode ter recebido diversos arquivos para remover, a cada arquivo que não se encaixa dentro do especificado, há um continue, para que a sequência volte para o loop do for de forma a receber outros arquivos.

Quando você está no Windows (com perdão da má palavra) e tenta remover aquele monte de lixo com nomes esquisitos como HD04TG.TMP, se der erro em um deles, os outros não são removidos, não é? Então, o continue foi usado para evitar que um impropério desses ocorra, isto é, mesmo que dê erro na remoção de um arquivo, o programa continuará removendo os outros que foram passados.

– Eu acho que a esta altura você deve estar curioso para ver o programa que restaura o arquivo removido, não é? Pois então aí vai vai um desafio: faça-o em casa e me traga para discutirmos no nosso próximo encontro aqui no boteco.

– Poxa, mas nesse eu acho que vou dançar, pois não sei nem como começar…

– Cara, este programa é como tudo que se faz em Shell, extremamente fácil, é para ser feito em, no máximo 10 linhas. Não se esqueça que o arquivo está salvo em /tmp/$LOGNAME e que a sua última linha é o diretório em que ele residia antes de ser “removido”. Também não se esqueça de criticar se foi passado o nome do arquivo a ser removido.

– É eu vou tentar, mas sei não…

– Tenha fé irmão, eu tô te falando que é mole! Qualquer dúvida é só me passar um e-mail para julio.neves@gmail.com. Agora chega de papo que eu já estou de goela seca de tanto falar. Me acompanha no próximo chope ou já vai sair correndo para fazer o script que passei?

– Deixa eu pensar um pouco…

– Chico, traz mais um chope enquanto ele pensa!

Vou aproveitar também para mandar o meu jabá: diga para os amigos que quem estiver afim de fazer um curso porreta de programação em Shell que mande um e-mail para a nossa gerencia de treinamento para informar-se.

Qualquer dúvida ou falta de companhia para um chope ou até para falar mal dos políticos é só mandar um e-mail para mim.

Valeu!

Read Full Post »